sábado, 11 de setembro de 2010

Semana Literária no Sesc Londrina

a partir de segunda agora, dia 13 de setembro, o Sesc Londrina apresenta a Semana Literária e está um luxo. confiram.

Informações:
Sesc Londrina centro - 3378.7800 / 3378.7831 / 3378.7830
Sesc Londrina aeroporto - 3378.7879
  • os convites para as mesas e palestras podem ser retirados no SAC do Sesc Londrina e Sesc Aeroporto (2 por pessoa)
  • as escolas podem agendar turmas pelo telefone 3378.7830 com Vera
  • os interessados em obter certificado da UEL devem ter 80% de participação nas mesas e palestras e fazer a solicitação pelo sitewww.uel.br mediante taxa de R$ 5,00



terça-feira, 18 de maio de 2010

LANÇAMENTO Da face do fogo EM SAMPA E NO RIO


Beatriz Bajo escreveu um livro de fotografias. A danada fricciona uma pedra na outra até que uma labareda dê sua graça. Não é metáfora, é realismo químico. Palavras se roçam, imagens explodem, ao leitor é só preciso fruir por suas linhas dançantes. As propriedades do fogo são colocadas em lâminas, página a página. Ora o texto rebola seu contorno azul, frio. Ora o texto é o centro da chama, fixo e irradiador.

Há muitas despedidas, algumas como resultado de um rompimento, outras como um distanciamento calculado do objeto. Ação e reação, sempre numa agonia, numa vigilância para que o vento não escureça o quarto, apagando a vela.

A face do fogo é um livro para muitos, e é certo que ele se espalhará, começando por você.

Andrea Del Fuego (orelha)


segunda-feira, 17 de maio de 2010

Lançamento de CONVERSAS COM EMILY DICKINSON, de Marcelo Ariel


Hoje (18/05) tem lançamento delicioso. Marcelo Ariel autografa seu quarto livro - Conversas com Emily Dickinson -, no bar Exquisito (Rua Bela Cintra, 532 - Consolação), às 20h.
Eu sou uma fã da obra do Mar, sobretudo, uma fã do ser que mora neste mar imenso e cheio de poesia e que merece os cumprimentos porque seus versos são para além das fantasmagorias nossas de cada dia.
Estou felizfeliz por poder estar ao lado do meu parceiro poético em mais um presente ao cenário literário contemporâneo.
Ariel também inaugura o selo Orpheu, editado por Anderson Fonseca e revisado por mim.

Vamos abraçá-lo.

hasta pronto!

segunda-feira, 12 de abril de 2010






VINTE VEZES COYOTE

Dossiê com o poeta e artista plástico Rodrigo de Haro, poemas do dramaturgo Mário Bortolotto, conto do poeta norte-americano Delmore Schwart, fotografias de Egbertoogueira e relatos oníricos da portuguesa Anna Hatherly são destaques do novo número da revista COYOTE, lançada com duas capas diferentes

"A linguagem da poesia será fatalmente constituída por sucessivo espanto, ou não será nada". É o que afirma em entrevista o poeta e artista plástico catarinense Rodrigo de Haro (1939), no dossiê dedicado à sua obra poética no novo número da revista de literatura e arte Coyote. Editada em Londrina (PR), traz também dois textos inéditos do livro Um Bom Lugar Pra Morrer, de Mário Bortolotto e quatro fragmentos de Exercícios de Estilo, obra do francês Raymond Queneau, um dos autores mais experimentais da literatura francesa do século 20. Maurício Arruda Mendonça apresenta e traduz (do japonês) os haikais da nipo-londrinense Mityio Sugimoto. A revista apresenta ainda o conto "Nos Sonhos Começam as Responsabilidades", do poeta norte-americano Delmore Schwartz (1913-1966), e, pela primeira vez no Brasil, poemas do beat Bob Kauffman (1925-1986).

Seguindo em seu compromisso em revelar novos talentos, a Coyote 20 apresenta também poemas de Samantha Abreu, Luiz Felipe Leprevost e Ponti Pontedura. Outra novidade da edição são as duas capas diferentes com fotos de Egberto Nogueira.

Em seus oito anos de atividade, Coyote prossegue abrindo espaço para novos autores, resgatando e apresentando nomes importantes das letras e das artes, de épocas e lugares diferentes, instigando a reflexão e a criação literária. A revista é patrocinada pelo PROMIC (Programa Municipal de Incentivo à Cultura) da cidade de Londrina.

COYOTE é editada pelos poetas Ademir Assunção, Marcos Losnak e Rodrigo Garcia Lopes. Projeto gráfico de Marcos Losnak. Distribuição nacional (em livrarias) pela Editora Iluminuras.

COYOTE 20 // 52 páginas // R$ 10,00

Uma publicação da Kan Editora. Vendas em livrarias de todo o país pela Editora Iluminuras – fone (11) 3031-6161 (site: www.iluminuras.com.br). Pode ser adquirida também na internet pelo Sebo do Bac: www.sebodobac.com

Contatos: losnak@onda.com.br / rgarcialopes@gmail.com / zonabranca@uolFone: (43) 3334-3299 / (11) 3731-3281

PATROCÍNIO: PROMIC - PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA – SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA DE LONDRINA (PR) .

domingo, 10 de janeiro de 2010

o tempo visto pelas mãos de Ernani Fraga

foi uma alegria receber o primeiro poema do ano de um grande amigo. Ernani Fraga é de uma delicadeza que só a poesia pode explicar. ou, desexplicar de vez.
fiquem com ele dentro deste.


TEMPO

tempo...

substantivo magro, malogro masculino,

amálgama desatento com delicadeza áspera

de cheiro de chuva na terra

madeira verde no fogo

memória do pó, da pedra, do excremento,

escarafuncha

o chão

dos horizontes findos

a poeira é a

do amestrador de silêncios

são lírios

de sons em asas líquidas, escorre

- de joelhos, contrito –

pelos tijolos lúbricos,

engonços, rachaduras,

ternuras e vilezas

no frontispício do momento súbito,vago, poliédrico

de ave, de peixe, de amante, tronco ou árvore

ontem

: voeja

flor de corte e solo misturado

: finca

no coração ardor de prego

em brasa no palor líquido, incompressível

nos ângulos dos vôos livres

mas fibrila

a tarde amarela, agiganta

- repentino - o que por bem tinha calado

ou feito pequenino

e é por isso

é por isso que há tempos

no tempo eu exista assim

inclemente, impenitente, verbo velho,velhaco,

insubsistente

paisagem assimétrica, monturo,

mutante (incoerentemente sempre menino)

na espiral constante da embriaguez adunca que ora é pressa

ora é eternidade

ora não passa nunca


Foto de Carlos Savasini


ERNANI FRAGA, paranaense de Campo Mourão, é advogado formado pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo/SP. Atuou como ator nas peças A Falecida, de Nelson Rodrigues, e Fando e Lis, de Fernando Arrabal, ambas sob direção de José Luiz Sconi; e na peça infantil Um elefantinho incomoda muita gente, de Oscar Von Phul, sob direção de Luis Camargo; Foi membro de Marcas Nossas – Grupo de Arte, tendo publicado, em parceria com Sueli de Souza e Edson Natuesper, o livro Marcas Nossas, cujos poemas deram ensejo à montagem do espetáculo Recital Noturno nº 1, levado à cena pelos próprios poetas na Casa de Chá Erva Doce, em São Paulo. Participou das antologias Exóticos e Livres, Contos de Fim de Século e As Várias Faces da Morte, com os contos intitulados A última Palavra, Uma notícia para Deise e Rachel. Colaborou com as publicações santistas Mirante, Zênite, Poetizando e Cabeça Ativa, em cujas páginas teve poemas publicados. Foi membro do Clube de Poetas do Litoral. O seu poema Cartas foi publicado no Informativo Cultural Clips n. 14 da Secretaria de Cultura de Santos/SP. É autor de Ponte Necessária e Vermelho (de poesia) e das peças teatrais O Caos das Coisas, Uma ilustração Farsesca, Títeres e o O Pai e os filhos. Tem textos publicados em jornais e em sites na internet. Foi membro do Centro Contemporâneo de Dramaturgia, dirigido por Paula Chagas Autran. Foi membro do grupo de poetas Rascunhos Poéticos, coordenado pelos poetas Carlos Savasini e Osvaldo Pastorelli, na Casa das Rosas, em São Paulo. Em 2009 dirigiu a leitura encenada de contos Eu também sou Maria, de Leonel Possatti. Vive em São Paulo desde 1971.